Alunos do 3º período antes do início da sessão
Na tarde dessa sexta-feira (10), o auditório da Dom Helder Escola de Direito foi palco de mais uma sessão do Direito e Cinema. Com apresentação das professoras Adriana Camatta e Ana Virgínia Gabrich, os alunos analisaram dessa vez o filme “Ensaio sobre a Cegueira”, do diretor brasileiro Fernando Meirelles.

Ao fim da sessão, as professoras abriram o debate dando espaço aos alunos para que pudessem expressar suas impressões a respeito do filme. Uma das alunas iniciou sua reflexão: “Eu acho interessante, pois sou deficiente visual, tenho 5% da minha visão e o filme em si mostra os problemas que temos no nosso dia a dia, o que levamos em conta que seja realmente necessário para sobreviver, e, baseado nisso, como a união é importante. Todos nós somos diferentes, todos nós temos nossos problemas, e pra sobreviver a sociedade precisa estar em total aptidão, um respeitando o outro. Então o filme, de certa forma, quis demonstrar isso, o que realmente é importante, o que a visão representa, o quanto ela é necessária para sobreviver e como os outros sentidos do nosso corpo se adaptam a isso. O filme para mim deixou isso bem claro, quando não se tem mais visão, qual a base da sobrevivência?”.

A professora Adriana prosseguiu o debate ressaltando alguns pontos do filme: “Ensaio sobre a Cegueira é simbólico e metafórico. A ideia da iluminação do filme faz com que a cegueira se torne branca, o que significa que muitas vezes nós vemos, mas não enxergamos a humanidade. É por isso também que os personagens do filme não têm nome, pois precisamos enxergar a verdadeira essência deles. O filme nos faz pensar também que a sociedade hoje, no mundo em que vivemos, passa por uma crise de valores. Somos chamados o tempo todo a refletir se o modo de vida que levamos e como pensamos é adequado ao nosso tempo e/ou à nossa realidade. Somos uma geração que tem muito acesso aos bens materiais e ao mesmo tempo estamos doentes de vários sentimentos”.

Sinopse

Uma inédita e inexplicável epidemia de cegueira atinge uma cidade. Chamada de "cegueira branca", já que as pessoas atingidas apenas passam a ver uma superfície leitosa, a doença surge inicialmente em um homem no trânsito e, pouco a pouco, se espalha pelo país. À medida que os afetados são colocados em quarentena e os serviços oferecidos pelo Estado começam a falhar as pessoas passam a lutar por suas necessidades básicas, expondo seus instintos primários. Nesta situação a única pessoa que ainda consegue enxergar é a mulher de um médico (Julianne Moore), que juntamente com um grupo de internos tenta encontrar a humanidade perdida.

Direito e Cinema

A cada encontro do projeto, será exibido um filme relacionado ao Direito, acompanho de pipoca e refrigerante. Os alunos contarão também com a ajuda de um professor, que ficará responsável por orientar a sessão e oferecer ‘chaves de leituras’.

Coordenado pelo professor Franclim Brito, o projeto está ligado ao curso de Direito Integral, mas é aberto à comunidade acadêmica. “Toda a Escola é convidada a participar. Além da pipoca e refrigerante, os alunos ganham três horas de atividades complementares”, informa o professor.
Alunos fizeram fila para validação das horas complementares
Alunos fizeram fila para validação das horas complementares
Alunos assinaram a lista antes da sessão
Alunos assinaram a lista antes da sessão
Estudantes encheram o auditório
Estudantes encheram o auditório
As professoras Adriana Camatta e Ana Virgínia Gabrich fizeram as considerações iniciais do evento
As professoras Adriana Camatta e Ana Virgínia Gabrich fizeram as considerações iniciais do evento
Aluna com deficiência visual expôs sua opinião extremamente considerável sobre o filme
Aluna com deficiência visual expôs sua opinião extremamente considerável sobre o filme
Alunos participaram de debate após a sessão
Alunos participaram de debate após a sessão