No último sábado (19), quatro turmas de primeiro período participaram da segunda etapa de simulações do Tribunal de Júri. Já na chegada ao auditório, os convidados puderam apreciar uma apresentação musical executada pelos próprios alunos. Em seguida, a professora Maria Aparecida Cota fez um breve discurso para a abertura dos trabalhos.

“É importante lembrar que é um exercício, que nosso foco aqui é colocar em prática a Pedagogia Inaciana, trazendo para vocês essa oportunidade de autonomia. É um exercício de argumentação, mas é também um exercício de gerenciamento das relações, que não são fáceis. Sobretudo, é uma oportunidade de vocês darem o máximo de si, que é o Magis, a essência da nossa Escola. Agradeço a cada um pelo empenho. Sabemos que é um grande desafio que a gente propõe, mas só fazemos isso porque acreditamos no talento de vocês”, destacou Maria Aparecida.

A primeira simulação foi realizada pelas turmas 1DMA, que atou na acusação, e 1DMD, incumbida da defesa da ré Georgina Franco Leal. De acordo com os autos, Georgina teria pagado R$4 mil para a execução do seu ex-marido, Tone Ramos Cuoco. Ao final da sessão, a ré foi absolvida. 

Para a aluna Ana Moraes Peixoto Moreira, da turma 1DMD, a experiência trouxe um grande aprendizado. “Foi incrível, acredito que todos se empenharam bastante, foi uma grande evolução. Com certeza espero que a atividade se repita mais vezes, para que as pessoas possam aprender como nós aprendemos hoje”, afirmou. O colega Arthur Ferreira, da turma D1MA, também aprovou a experiência. “Foi muito bom, é uma atividade extraclasse que envolve a turma e nos dá uma ideia de como vai ser a atuação profissional. Fiquei muito feliz com o nosso rendimento”, compartilhou Arthur.

Já na segunda simulação, a turma 1DNC foi responsável pela acusação e a turma 1DME, pela defesa. O caso em julgamento foi o assassinato de Eurípedes de Jesus Santos pelo réu Inocêncio Tadeu de Albuquerque, que deferiu quatro disparos conta a vítima. Apurou-se que, no dia anterior do ato, Eurípedes teria intimidado o denunciado, alegando que iria retirar-lhe a vida.

O julgamento real do caso contou com a participação do Núcleo de Prática Jurídica da Escola (NPJ), que realizou a defesa da vítima. O aluno Leonardo Fernandes Costa, do 7º período, teve a oportunidade de acompanhar o trabalho do advogado Carlos Henrique Amaral, do NPJ, e a sessão do Tribunal de Júri, finalizada com a absolvição do réu. Na simulação de sábado (19), o réu foi condenado.

“Tanto a acusação quanto a defesa trabalham linhas muito próximas àquelas apresentadas no Júri real. Foi bem parecido, por serem alunos do primeiro período, eles souberam argumentar bem. Acho que faltou demonstrar mais a legítima defesa, porque ela não cessa no exato momento, ela se prolonga um pouco. Mas eles argumentaram bem, mérito da acusação”, avaliou.

Português

As simulações do Tribunal de Júri fazem parte das atividades desenvolvidas na disciplina de Português, 1º período, sob a orientação das professoras Maria Carolina Reis e Maria Aparecida Cota. Contam também com o apoio do Centro de Simulação e Intercâmbio (CSI).

Outras duas simulações serão realizadas no próximo sábado (26), confira:

Dia 26/05 – Sábado – Horário – 8h às 12h30min – Duas simulações
1DNA (ACUSAÇÃO) X 1DNB (DEFESA)
1DMC (ACUSAÇÃO) X 1DMB (DEFESA)
Vagas para jurados: 60

Texto e fotos: Patrícia Azevedo/Dom Total